sexta-feira, 8 de julho de 2011

De que valeu?



O dia que tudo acabar
não ligue, nem avise
deixe estar
e quarto vazio
que eu nem ligarei
ou desligarei

Nesse dia, de uma só noite
em que não houver
cantar de pássaros
vento fresco
ou chuva quente
me esqueça

Deixe a água
afogar a mágoa
deixe a seca
sufocar à sede
deixe a guerra
enterrar a terra

Se um dia
tudo acabar
quero ser ignorante
ou emburrecer
em um instante
e ainda burro
ignorar

Imagem: Andreco

Um comentário:

  1. "Deixa a água afogar a mágoa" haja choro!Adorei o poema, Edu. Bj

    ResponderExcluir