sexta-feira, 27 de maio de 2011

Embora



Em silêncio
subitamente desgostoso
eu espio
5 minutos que irão sumir
após todas essas noites
e obrigo meus neurônios
concentrarem no quadro-a-quadro
de suas pernas semi-abertas
mal esticadas pela cama
seu cansaço sincero
sua beleza
amarrotada entre os lençóis
tentando apreender de nós
quem somos
porque o desejo
mais que o tempo
é de estarmos nós

6 comentários:

  1. Ai, que lindo. Saudade do tempo em que me escreviam poemas como esse.
    bj, Edu

    ResponderExcluir
  2. Sinto cheiro de poesia.
    Belíssimo, gostei do blog :)
    Até logo.

    ResponderExcluir
  3. Versos exautos e satisfeitos: suspiro da poesia!

    Perfeito!

    Beijos,
    Moni

    ResponderExcluir
  4. Muito intimador este poema, parabéns!!!! Adorei!!!

    bejo bejo

    ResponderExcluir
  5. Hola amigo!

    Simplesmente lindo!

    Uma pontinha de nostalgía descobrindo-se dos lençóis.

    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir