segunda-feira, 18 de abril de 2011

Trava lírica


Setenta e dois com sete
setenta e nove, errei.

Sempre preferi os pares,
mas sempre quis ser ímpar.

Sem pré,
pré feri os pares
mas não fui capaz,
apenas quis ser ímpar.

Testei dois versos
detestei o resultado.

Testei dois, veja só,
e de ré foi exultado.

Atestado o meu dilema
que agora já é problema
talvez mental, talvez poema

encerro a equação,
que no final não foi em vão,
com um igual ou interrogação

Imagem: Lead Pensil Studio

5 comentários:

  1. Eu adorei a brincadeira que as palavras fizeram com a minha boca, palatais, bilabiais...
    Fala, trava, trinca...

    Coisa gostosa de ler!!!

    Prefiro os ímpares... só com eles formo o par!
    ;-)

    beijos, querido!

    ResponderExcluir
  2. essa tua habilidade me encanta.

    adoro números ímpares.
    pares me fazem torcer o nariz.

    hoje sou par,
    mas não deixei de ser ímpar.

    nunca.



    bjsmeus

    ResponderExcluir
  3. Ímpar, par, ímpar, par... onde esse jogo vai parar?

    Muito bom Edu!

    Bejos ímpares... ou par?

    ResponderExcluir
  4. Par ou ímpar no amor? Nessa brincadeira, importa que tenhamos sorte. Bj, Edu!!

    ResponderExcluir
  5. Oi. Eu fiz um post só pra vc, que perguntou o que eu sugeria aos homens. :)

    ResponderExcluir