sexta-feira, 25 de março de 2011

Nuclear



Eu, mesmo alfa, me derreto
no teu beijo, atômico.

Tua boca à beta, me completa,
minha língua acompanha, atônita.

Teu olhar assim me ganha,
dos teus olhos, raios gama.

Me atravessam, eu gamo.

E nem mesmo o mais discreto
ou meu coração, concreto

resiste à tua trama, teu novelo. 
Meu afeto se envolve, que novela...

Mas súbito te vais,  me abandona,
e a fusão que eu previa, tu detonas.

É a sintonia desse radio, ainda ativo,

Imagem: fffound.com

11 comentários:

  1. "e a fusão que eu previa, tu detonas."

    Como sempre, a expectativa nos levando à frustrações.

    ResponderExcluir
  2. Esse último verso tem a ver com o ritmo/musicalidade da poesia ou estou viajando?

    ResponderExcluir
  3. Esse poema na verdade foi uma experimentação, uma sopa de vírgulas e as palavras semelhantes.

    ResponderExcluir
  4. Eu achei que a palavra "detonas" foi muito bem usada nesse penúltimo verso.
    Quando li, imaginei um coração de concreto sendo detonado por uma bomba atômica, haha.

    Tá, eu viajo demais, eu sei.

    ResponderExcluir
  5. Acho ruim ficar escrevendo aqui o que eu pensei quando fiz o poema, tira um pouco a liberdade de interpretação das pessoas, mas adoro os comentários justamente porque algumas coisas que eu não tinha pensado acabam aparecendo, como o lance do detonas por exemplo.

    Fico feliz que esteja tão empenhado(a) em ir a fundo no poema! Mas realmente, as palavras desse poema foram propositalmente colocadas para aumentar ao máximo a relação entre elas.

    ResponderExcluir
  6. Toda vez que eu te leio, tenho impresssão que te conheço menos..ora, não deveria ser o contrário? Não. O melhor ainda está sempre por vir e é sempre assim...adoro! Bj

    ResponderExcluir
  7. QUERIDO EDU, o amor não é uma bomba; mas tem mais poderer que armas nucleares. Mil explosões em seu coração. Obrigada pelo Afeto, virtual, mas real.

    ResponderExcluir
  8. Ju: mas os poemas nao são auto biográficos! Kkk Ainda assim, se é surpreendente, ótimo! Bjo!!

    Cris: valeu!! Mas... Q afeto?! Bjo!!

    ResponderExcluir
  9. Achei perfeito, radioativo...contamina!
    Como toda experimentação, tem seus riscos. Mas foi exitosa, sim!
    O amor orbitando por camadas instáveis,
    beirando a explosão...

    Beijo, querido!

    Moni

    ResponderExcluir
  10. "Tua boca à beta, me completa,
    minha língua acompanha, atônita."

    A sonoridade desse verso é linda, Edu. Gostosa experimentação.
    Beijinho!!!
    Rafa.

    ResponderExcluir
  11. Moni: não tenho medo de arriscar! Só prometa pra mim que se ficar uma merda, vc vai me avisar!

    Rafa: Valeu Rafa!!

    ResponderExcluir