sexta-feira, 18 de março de 2011

Expectativa

2
Teus cigarros inapagados
em cinzas quilométricas
teu beijo borrado
e essas sobrancelhas tétricas
do cabernet envelhecido
aberto, jogado e bebido
são mais um passo dado
ao nosso precipício

Meu suor e esse perfume
misturando o teu ciúme
e estampado em bom estado
ainda do batom estalado
e tua voz ao meu ouvido
agredindo em estampido
a traição desse malvado
e o nosso amor perdido

Tens na língua teu esforço
de como fizeste o teu esboço
da uma história nossa perfeita
mas minhas culpas e desfeitas
escureceram tua voz
e cada marca atroz
que agora tu proferes
não magoam nem me ferem

Então eis aqui, pois tenho
cada ato e cada senho
em minha pele estampados.
O vilão amaldiçoado
que tu acabaste criando
ao longo dos últimos anos
que navegava o pecado
agora é marujo formado

E mais, que fiz valer
porque hei de merecer
da paciência a redenção
de refutar o teu perdão,
pois não deve haver clemência
após tanta penitência
de cada ano enfrentado
e cada sorriso guardado

Então veste teu vestido
e tua mórbida libido,
limpa o olhar borrado
e vá em busca de outro amado,
pois cansei de vê-la querer
mais que eu poderia ceder
e tu sabes muito bem
que teu desejo foi além

e o futuro era errado

Imagem: Jerry Hsu

16 comentários:

  1. Haja inspiração, pra esse rico eu lírico, ultra romântico...lindo, Edu!

    ResponderExcluir
  2. Deu um trabalho desgraçado fazer esse... gaste 3 semanas. Sério. Ainda não ficou como eu queria, mas ótimo que vc tenha gostado!!

    Brigado Ju!

    Bejo!

    ResponderExcluir
  3. Expectativas, nos fazem despertar.

    Bem orgânica essa composição... gostei!!!

    Bejos

    ResponderExcluir
  4. Às vezes temos que reler várias vezes para 'pegar' alguns detalhes.

    Esse último verso é ótimo e só o entendi agora.
    "e o futuro era errado"

    A cereja do bolo!

    Cada vez que eu releio, descubro detalhes que eu não tinha notado antes.

    ResponderExcluir
  5. Estranho: As expectativas no despertam, mas tbm nos enganam mto!! Bom q gostou! Ru gosto das suas visitas! Bjo!

    Anônimo: fico mto feliz q tenha notado. Eu gosto de colocar textos e msgs subliminares nos poemas. Fica mais demorado pra quem esta lendo entrar no poema, mas eu acho que é isso q faz o texto provocar a reflexão q eu quero! Valeu! Esse é o melhor elogio Q eu posso receber!

    ResponderExcluir
  6. Continue assim e terá em mim uma leitora assídua, ansiosa por mais.

    ResponderExcluir
  7. Edu!
    Vim convidá-lo para participar do brincadeira literária Vale a pena ler de novo. Se você achar legal passe no Viaje na Janela para retirar o selo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Aplausos.
    Um poema com ares de bolero.
    Pinta no ar a tragicidade do tango também.
    Gostei da imagem fudida do cotidiano.
    Mórbida.
    Lembra alguma coisa de Byronismo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Elenir: Brigado! Logo menos essa semana postarei o selo!

    Ndoretto: obrigado! Mas eu acho que tangos e boleros são românticos! Esse aqui é mais mórbido mesmo.

    ResponderExcluir
  10. A P L A U S O S!!!


    forte, dolorido...
    mas uma dor gostosa de sentir.


    rsrs
    gde bj meu.
    voltei.

    ResponderExcluir
  11. Eu tô sem fôlego.

    Dá pra sentir tudo:
    o ar pesado,
    a maquiagem borrada,
    o vinho, o gosto, o cheiro.
    A cobrança e a exigência.

    Vida demais, nesse poema. Tanta que morre.

    AMEI!!!

    Parabéns!

    Beijos,

    Moni

    ResponderExcluir
  12. Oi Moni!

    Que bom que gostou! Apareça mais!

    Bejos!

    ResponderExcluir
  13. ah olha só , Edu!
    Não tinha visto esse seu...muito bom!

    O meu são só uns versos pra um fumante bonito que eu conheço.
    Um muso fumante, acontece , haha.

    ResponderExcluir
  14. Edu, que saudade de te ler. Simplesmente delicioso e dolorido. Poesia escura que faz um bem...
    Beijos!
    Rafa.

    ResponderExcluir
  15. Flá: o poema ao que eu me referia chama-se vício! ahaha Não era esse, mas pode ser esse tbm! Que bom que gostou!

    Rafa: gosto de ver vc por aqui!

    ResponderExcluir