sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Alma de mendigo

















Sob o olhar dos dias curtos
Passam pedestres sentimentos
No frio, no clima bruto
Se arrastam isentos
Rostos cravados de memórias
Almas sulcadas de perdas e vitórias
Passa o tempo

Deixa o porto frio e navega
Mais um desejo sincero
Outra proposta que nega
Dando lugar ao desespero
Solidão servida em taça
Tragada ardente de cachaça
Deixa o medo

Congelado pelo frio
Na rua olhares o abandonam
Tornando concreto o vazio
E chance de voltar não mencionam
Mas sob esse desamparo estelar
Insiste o mendigo em dançar
Eles amam

Imagem: Jon Fox

3 comentários:

  1. Qual foi sua inspiração pra escrever esse? Bem triste (e eu gosto de escritas tristes), mas um pouco instigador também. Enfim, gostei.

    E estive pensando, qualquer um que leia seus poemas têm a certeza de que foi um homem que os escreveu. Pelo menos é essa a impressão que tenho. Gosto disso.

    ResponderExcluir
  2. Mendigar atenção, apelo dos amantes indefesos e vulneráveis...bj, querido (escrevo direto da V. Madalena, em sua terrinha).

    ResponderExcluir
  3. Srta M.: adoro suas visitas! Eu acho muito difícil escrever poemas com eu lírico feminino, e também tem um lado de auto afirmação, provavelmente uma auto-afirmação minha e do meu estilo misturadas. Daí que por mais que não tenha sido algo que aconteceu comigo, tem meus traços. A inspiração eu não sei ao certo, andei vendo tudo nevado ultimamente... e passando pelas ruas, sempre vem a sensação: as pessoas são felizes?

    Ju: exatamente, na verdade está mto mais relacionado ao que escrevi acima do que o simples sentimento de amor! Mas quando estamos apaixonados, realmente nos tornamos mendigos mesmo! hahaha

    Cada resposta longa! Acho que é a necessidade de se comunicar com o Brasil!!! Chega de viajar! Já estou colocando as coisas em ordem! Semana que vem estou de volta, e com tudo!

    Beijos!

    ResponderExcluir