quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Maldição divina

10

Sopra o vento alimentando a distância
de onde navega a nau em penitência
desterrada sem qualquer clemência
do povo em terra e sua ignorância

Da algazarra costeira ao silêncio marítimo
do calor terreno ao frio indócil
navega o barco pelo reino fóssil
num mar bravio de sacolejar sem ritmo

A mensagem atravessada de virtudes
e o povo em outros tempos cativado
seguem abandonando gentilmente

dando lugar ao eco negro da quietude
a um Deus por tantas eras celebrado
selando seu destino esquecido eternamente

Imagem: Jun Kumaori

3 comentários:

  1. Sua poesia é excelente.

    Hipocrisias à parte, desejo um lindo 2011 para vc.Bjs

    ResponderExcluir
  2. Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Obrigado! Nao imaginava que a essa altura do campeonato fosse conquistar mais 2 leitores! Foco realmente mto feliz que tenham gostado!

    Infelizmente ta meio difícil interagir esse fim de ano pq ando viajando pra La e pra ca, tentarei aparecer para postar semananlmente, como sempre e interagir.

    Pink: entendo o lance da hipocrisia, mas um pouquinho dela nao faz mal pra ninguém! Desejo um com a mesma lindeza pra vc!!

    José: obrigado pela visita cara! Entrarei la sim! Um grande 2011 pra vc tbm!

    ResponderExcluir