quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O primeiro dos deuses era mulher


Gosto do chão
do pé, da mão,
im-pulso puro
na rocha dura,
da realidade,
que raridade!
Olhar ao céu
pernas ao léu
num vôo lento
até no cimento
pousar feliz,
eu mesmo fiz:
trôpego e bêbado,
esparramado
brinquei, sujei,
ri e rolei,
passei a mão
nesse meu chão
nessa frieza
onde a tristeza
da molecada
numa zoada
com a mãe terra
morre e se enterra

Foto: Frederico Pelachin

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O selo



Se de partes se compõe o mundo
de partidas compomos nossa vida,
porém de não há sentido, no fundo
quando fica sem a volta cada ida...

Tudo se resume ao Deus tempo,
e ao carinho com que conduz agouros
se cada partida é um destes ao vento
cada chegada, seu ancoradouro

Os departures são parte da minha,
gosto do avante sem olhar para trás
mas deixo sempre a saudade com linha
pra recolher o que um arrival me traz

E sempre à espreita, a dona felicidade
sempre me aguarda para pregar peças
em todo o destino, em qualquer cidade
partindo ou chegando, vou feliz à beça

Minhas partidas são uma ode a aventura
do devaneio ao calafrio da liberdade,
e minhas chegadas, num aconchego de ternura,
eu me derreto nos braços da saudade!

Notas:
Texto em resposta ao gentil convite "selado" pela Elenir do Viaje na Janela - http://viajenajanela.blogspot.com
Coincidentemente dia 13/12 estou saindo para uma viagem de 40 dias rumo a NY e Europa, na foto, o metrô de NY. Tudo isso torna a brincadeira menos lírica, mas muito divertida!
Fiquei muito feliz com o convite selado e de praticar O Selo, com muito zelo!... tanto que vou selar também! Quem sabe alguém responde... sei lá!

- Nada mais justo que para a viajante, né?
http://foiassimdoispontos.blogspot.com/
 - Às minhas amigas Extraordinárias, que vão adorar falar sobre:
http://somosextraordinarias.blogspot.com/
- À Moni e o seu cuidado com as palavras:
http://blogdamoni.blogspot.com/
- Talvez esse povo seja mais rebelde e contra "pautas", mas não custa tentar:
   - Caracoflávia -
http://flaviadoria.blogspot.com/
   - Tayo, o mestre samurai das palavras -
http://limitedapalavra.blogspot.com/
   - Álvaro e as sutilezas -
http://cinzasdapoesia.blogspot.com/

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Negativo


Um dia perdi a hora
e da hora, a vez na fila
e da fila, foi-se o trem,
sem trem não houve chá,
o chá das três e trinta
e nem cigarro nem isqueiro
perdi a fumaça do cinzeiro,
e sem chá e sem fumaça
perdi a idéia na cachaça,
sem idéia aquela carta
já não foi pra namorada.
Sem idéia e da cachaça
aos braços da devassa
amanheci sem meu juízo
traí a namorada
e quase perdi o pinto.
Me perdi do meu amor
e o sorriso do meu filho
a proza com o avô
e a atenção no meu trabalho
o dedão no maquinário
a razão em um repente
a briga pra um otário
na briga perdi um dente
e não virei presidente,
e sem dente e sem trabalho
perdi anos sentado
num vaso sanitário
no meio do escritório
escrevendo relatórios.
Perdi o suor da vida,
o desejo de conquista,
o emprego e a esmola,
o segredo do meu cofre
e o dinheiro junto,
me tornando vagabundo
perdi a sorte que não encontrei
andando pelo mundo
perdi demais no carteado.
Então sem nada fui à igreja
e me perdi no sermão
da escolha perdi a certeza
e no meio da multidão
acabei me perdendo da morte
e o epitáfio da minha lápide.
Perdi a chance do sossego
e nas mãos do desapego
vago louco, desgarrado
pois cada ano que passei
cada dia que eu guardei
eu perdi sem ter ganhado


Foto: ♥ Jing ♥