quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

A mesma história

Não ignoro a paixão
Deixo ela entrar

Quero que ela entre
Sinta-se em casa
Tire os sapatos
Pegue um drink
Coloque uma música
... e dance
e se descabele
e se aproveite
e se desnude
e sirva-se
da carência e da ausência

Quero que ela se consuma
e que me consuma
me trague
me alivie
e me mate

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Fogo fátuo

Mil cigarros apagados
de amores imperfeitos 

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Desencontro

Oh meu blog, querido, que falta você me faz...

Desencontrei-me de você, espero encontrá-lo em breve novamente.

Saudade de sentimentos líricos.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Babilônia

jaume-plensa2

Vivemos uma
montanha russa:
eu português
vc grega

Imagem: Jaume Plensa

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Por que o poeta atravessou a rua?



Não passavam carros

O sinal está vermelho
Parei

O sinal está vermelho
olhei a rua

Não vi nenhum sinal
Atravessei

sexta-feira, 8 de julho de 2011

De que valeu?



O dia que tudo acabar
não ligue, nem avise
deixe estar
e quarto vazio
que eu nem ligarei
ou desligarei

Nesse dia, de uma só noite
em que não houver
cantar de pássaros
vento fresco
ou chuva quente
me esqueça

Deixe a água
afogar a mágoa
deixe a seca
sufocar à sede
deixe a guerra
enterrar a terra

Se um dia
tudo acabar
quero ser ignorante
ou emburrecer
em um instante
e ainda burro
ignorar

Imagem: Andreco

sábado, 2 de julho de 2011

Enquanto



...
Tiro os sapatos
debruço sobre
sua sonolência
como os coqueiros
sobre a praia
estendendo envolvida
pelo mar
mas do mar
só quero calmaria
ou seus braços
e as ondas, de calor
que amam e rejeitam
num carinho manso
lapidando todas
as superfícies
duras
que de coral são
...

domingo, 12 de junho de 2011

É bobo



Ontem te vi na varanda
preguiçosa na rede
bolei um poeminha
pra chamar tua atenção
Mas se tu gostaste
como disseste
do poema
por que me deste um bolo?
Então bolei outro poeminha
sobre aquele triste dia
que tu me embolaste
mas não te enviei
pois bolar poema
a quem dá bolo
de amor
me dá fome
e hoje um bolo
comerei

terça-feira, 7 de junho de 2011

Cuide-se



Em minha ausência
esteja alerta
esteja aberta
a qualquer nova
experiência

Mande carta
mande foto
ou se esconda
em penitência

Vire louca
fique rouca
gritando as minhas
indecências

Fique fria
ou vazia
em agonia
e se mate
de carência!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Embora



Em silêncio
subitamente desgostoso
eu espio
5 minutos que irão sumir
após todas essas noites
e obrigo meus neurônios
concentrarem no quadro-a-quadro
de suas pernas semi-abertas
mal esticadas pela cama
seu cansaço sincero
sua beleza
amarrotada entre os lençóis
tentando apreender de nós
quem somos
porque o desejo
mais que o tempo
é de estarmos nós

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A mão-dição



Mortalmente tudo se integra:
vícios, virtudes, valores,
e uma alma pura e cheia de cores,
mesmo lavada, se mancha de negra

Nessa construção ditada à tinta
revelando a linha por linha o tempo
em que o não apagar explica
o resultado de cada intento

A sina das mãos divinas segue
sentenciando vidas e mortes
rabiscando cada elemento

ignorando que o homem negue
impecável, sem saltos ou cortes
para alegria ou para lamento

Imagem: www.happyloverstown.eu

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Sabe as palavras...




S.A. B aspas:
lavras, estas,
conque nos
ex-crê-vemos?

Estas mesmas.
Tão palavras
tantas, tontas

Elas formam uma imagem
uma realidade
na cabeça de cada um

Hoje as palavras abundam
e colocamos
na bunda
de
cada uma delas

Falamos sem saber
o que cada cabeça
e cada sentença
representarão
por quê?

Porque cada palavra
ainda que sábia
não significa nada
que o dicionário diz.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Nós desfeitos: a eterna dúvida



Pra que ceder ao vício
de estar em tal estado?

Por que se arriscar
a ser talvez ferido?

Por que querer sentir
o que não há sentido?

Por que esquecer de si
se deste si há de ter dó?

Por que estar feliz
se no futuro, há risco?

Por que abdicar do orgulho
de ser único e ser duplo?

Por que saber-se junto
mesmo estando só?

Por que sem querer
se quer tudo agora?

Por que eu?
Por que você?

Por que não nós?

sexta-feira, 29 de abril de 2011

DR


Ontem lavamos a roupa suja
pus sabão, tu puseste água
batemos e esfregamos
tanta força em mantê-las limpas
teu cheiro se foi com a água
vestimos a alma lavada
nossa sujeira foi escondida
mas continuamos despidos
porque há tempos nos despedimos
das nossas carapuças
nas nossas escaramuças

Imagem: Herbert Baglione